Por favor coloquem aqui as skins que fizerem, serão vistas pelos próprios desenvolvedores.

 

Podem e devem coloca-las aqui neste tópico também, com o ficheiro para download para ser mais fácil para a nossa comunidade descarregar.

 

Formato:

 

Modelo

Imagem em jogo

foto ou figura para comparar.

 

 

Não comentem, este tópico é para servir de base para nós todos

Share this post


Link to post
Share on other sites

P-47D-28, 1º Grupo de Aviação de Caça na Itália.

 

Apenas minha primeira tentativa em reproduzir o P-47 usado pela FAB durante a segunda guerra mundial, tem textura e modelo de dano.

Segue link para o war thunder live para a skin.

 

http://live.warthunder.com/post/1764/

Edited by devito1
  • Upvote 3
medal medal

Share this post


Link to post
Share on other sites

Boas pessoal, eu fiz a versao da FAP do bombardeiro Bristol Blenheim que esteve em serviço de 1941 a 1944. mas n sei como fazer o upload da skin... se alguem me puder ajudar... acho que deve dar, mas se houver algum problema ao carregar, avisem.

 

 

 

 

 

[attachment=67291:FAP.png][attachment=67292:FAP2.png][attachment=67293:FAP3.png]

Edited by Dark_Eagle92
  • Upvote 2

Share this post


Link to post
Share on other sites

Boas,aqui vai a skin do Bristol Beaufighter Mk.X da FAP de 1945 usado pela aviação maritima.

Edited by Dark_Eagle92
  • Upvote 1

Share this post


Link to post
Share on other sites

Skin da fab,para o pby5a, usado pelo  Tenente Carlos Alberto Torres , Natal Brasil, Julho de 1943,o Arará.

 

Referência:http://www.markstyling.com/pby.02.htm

PBY14.jpg

Preview

Sem_ttulo.png?lgfp=1000

 

shot_20140422_155413.jpg

shot_20140423_142757.jpg

 

Download:

http://www.4shared.c...alina_arar.html Versão para o PBY5a(aquele que tem o trem de pouso)

http://www.4shared.c.../PBY5_ARAR.html Versão para o PBY5 (histórica)(aquele que não tem o trem de pouso)

  • Upvote 3
medal

Share this post


Link to post
Share on other sites

Modelo Normal + Modelo com estragos

http://live.warthunder.com/post/4350/

72c80a33a6ae8bc786d8ff8f9ede8ceeeb601a6c

 

 

Aeronáutica Militar (A.M.) recebeu o primeiro grupo de 15 aviõesGloster Gladiator Mk II em Setembro de 1938, transportados por via marítima e montados nas Oficinas Gerais de Material Aeronáutico(OGMA), com os quais se formou uma Esquadrilha de Caça na Base Aérea da Ota. Foram numerados de 450 a 464, desconhecendo-se os serial number que a RAF lhes atribuiu.

Em Outubro de 1939 chegaram mais 15 Gloster Gladiator Mk II, que constituíram a Esquadrilha de Caça da Base Aérea de Tancos. Receberam a numeração de 465 a 479. Tinham os serial number daRAFde N 5835 a N 5849.


Aproveitando o grande poder de manobra dos Gloster Gladiator, constituíram-se algumas patrulhas acrobáticas com quatro aviões que deram brado na época, exibindo-se com grande virtuosismo.

Estavam pintados em verde-azeitona na fuselagem e planos superiores das asas, e de azul claro nas superfícies inferiores. Ostentavam a Cruz de Cristo, sobre círculo branco, distribuídas pelo extra-dorso das asas superiores e pelo intradorso das inferiores. A bandeira nacional, com escudo, estava no centro do leme de direcção. A numeração estava pintada lateralmente na fuselagem, em algarismos brancos, e nos no intradorso das asas inferiores, entre a fuselagem e a insígnia da Cruz de Cristo, em algarismos pretos.

50_Emblema+BA3_1.jpg Imagem 1 - Símbolo da BA 3

Os aviões da Esquadrilha de Caça da Base Aérea de Tancosostentavam na fuselagem, entre a matrícula e as asas, o galgo amarelo, símbolo da Base. (Imagem 1) Em 1941, durante a II Guerra Mundial, apresentou-se a necessidade da defesa aérea do Arquipélago dos Açores, sendo esta missão incumbida aosGladiator.
Assim, a Base de Tancos organizou a Esquadrilha Expedicionária de Caça Nº 1 (EEC1), deslocando os 15 Gladiatorpara a Ilha de São Miguel, ficando instalados no Aeródromo de Rabo de Peixe a partir de 8 de Junho de 1941. Mantiveram o símbolo da Base de Tancos pintado na fuselagem. (Imagem 1)

EEC2_Terceira.jpg Imagem 2 Do mesmo modo, a BA2, Ota, formou a Esquadrilha Expedicionária de Caça Nº 2 (EEC2), também com 15 aviões, que seguiram para a Ilha Terceira, onde chegaram em 13 de Junho de 1941, instalando-se nas Lajes. Esta Esquadrilha adoptou para distintivo um mosquito com luvas de boxe, que passou a ostentar na fuselagem dos aviões. (Imagem 2)
As missões das Esquadrilhas consistiam, para além do treino operacional, em voos de reconhecimento meteorológico, reconhecimento de navios de guerra e comboios marítimos e de patrulhamento aéreo, estas prevendo a violação do espaço aéreo nacional por aviões alemães. Na realidade, as ilhas foram várias vezes sobrevoadas em voos rasantes, inclusive o Aeródromo das Lajes, por aviões alemães Focke Wulf Fw-200 Condor. OsGladiator tentaram algumas intercepções, sem sucesso, dadas as suas modestas performances.
EEC1 regressou a Tancos em Julho de 1944 e a EEC2 regressou à Ota em meados de 1946.

Entre 1948 e 1950 foi retirada de serviço uma quantidade significativa de Gladiator. Os sobreviventes foram utilizados na BA2 e na BA3 para treino de acrobacia dos pilotos de caça.

Em 1952, os Gladiator da BA2 são transferidos para a BA3, formando uma única Esquadrilha. Foram sendo retirados do serviço progressivamente, processo que terminou em 1953.

Os Gloster Gladiator foram os aviões de caça que asseguraram a defesa aérea do território nacional entre 1938 e 1941. Os Curtiss Mohawk, recebidos em 1941, e depois os Spitfire e os Hurricane, vieram relegá-los para segundo plano.

Os pilotos referem com entusiasmo a sua capacidade de manobra, dando a devida ênfase ao facto de permitirem a execução de tonneaux a subir na vertical, o que na época era uma raridade.

 

2q01u9z.jpg

--------Fonte Aqui----------

 

  • Upvote 3
medal medal

Share this post


Link to post
Share on other sites

Um grande Obrigado ao Dreco e ao ArlindoBerto pelos screenshots e versões de testes pois ainda não tenho o Vampire.

 

 

de Havilland Vampire - Força Aérea Portuguesa 1955
 
 
Em Setembro de 1952 chegaram a Portugal dois De Havilland DH-115 Vampire T.55, que foram os primeiros aviões a reacção da Força Aérea Portuguesa[background=#eed59e] ([/background]FAP).
     Foram colocados na Base Aérea N° 2 (BA2), Ota. A aquisição teve em vista a preparação dos pilotos daFAP para operar aviões a reacção, mas a sua utilidade foi quase nula. Primeiro, por serem de origem britânica, o que causou dificuldades de adaptação aos nossos pilotos destinados às esquadras de caça que, na sua maioria, tinham recebido treino nos Estados Unidos ou em bases americanas na Alemanha Ocidental; segundo, porque os aviões a reacção que a FAP veio a receber – os F-84G Thunderjet – eram de origem americana.
 
     Em meados da década de 1950, os DH-115 Vampire encontravam-se na Base Aérea Nº 3 (BA3), Tancos, onde raramente voavam, absolutamente desenquadrados entre os trimotores Junkers Ju-52/3m, alguns bimotores Oxford e os mono-motores ligeiros Piper L-21 Super Cub, numa Base cuja actividade primária era o apoio aos pára-quedistas e às Unidades do Exército em Tancos, Santa Margarida e Vendas Novas.
     É possível que tenham regressado à BA2 em 1956. Tinham os números de construtor 15072 e 15073. Na FAP tiveram os números de matrícula 5801 e 5802. (ver imagens 4 e 5).

     Totalmente pintados em alumínio, ostentavam a Cruz de Cristo, sobre círculo branco, no extra-dorso da asa esquerda, no intradorso da asa direita e nos lados exteriores dos fusos de ligação aos estabilizadores da cauda. As cores nacionais, sem escudo, encontravam-se em rectângulos colocados nas faces exteriores dos estabilizadores verticais. As matrículas estavam pintadas a preto nas asas, alternando com as insígnias, e nas faces exteriores dos lemes de direcção (não sobre as cores nacionais, devido à pequena dimensão dos estabilizadores verticais).
 
877857ddd71a5f2af3ef6cf80827dc4c7c225e4a

 

FAP-028-Vampire+longo+simples.jpg

Eu sei, este Vampire do jogo não é a versão que tivemos, mas para já este vai ter que servir. :) Bons voos!

  • Upvote 1
medal medal

Share this post


Link to post
Share on other sites

Hawker Fury (Grupo Independente de Aviação de Protecção e Combate  , Tancos 1934)

Compatível com todas as versões.

 

DOWNLOAD

 

e595618b4cb2c7950696e9bfc2cffb3bb15238fe

 

 

Para colmatar a falta de aviões de caça no início dos anos trinta, missão então simbolicamente desempenhada pelos aviões de treino avançadoMorane-Saulnier MS-133 e MS-233, a Aeronáutica Militar(A.M.) encomendou à Hawker, em Novembro de 1933, três Hawker Fury MkI, que começaram os voos de ensaio em 28 de Maio de 1934 e chegaram a Portugal durante o mês de Junho do mesmo ano.

A A.M. atribuiu-lhes a numeração de 50 a 52. Devido à remodelação do sistema de matrículas de 1938, passaram a ser numerados de 401 a 403. Foram entregues ao Grupo Independente de Aviação de Protecção e Combate (GIAPC), em Tancos, que assim passou, na época, a operar os aviões mais velozes da Península Ibérica.

Estavam totalmente pintados em alumínio. Tinham a Cruz de Cristo, sobre círculo branco contornado a preto, no extra-dorso das asas superiores e no intradorso das asas inferiores. No leme, um rectângulo limitava as cores nacionais, sem escudo, o que era raro na época. A meio da fuselagem, entre as asas e a cauda, encontrava-se pintado o tradicional galgo amarelo de Tancos e, perto da cauda, o número do avião, a preto.

Os Hawker Fury da A.M. terminaram a sua vida operacional em 1943.

Texto: "Aeronaves Militares Portuguesas no Século XX" - Adelino Cardoso - Edição ESSENCIAL, Lisboa, 2000. 

 

11_1.jpg

Edited by Orge_PT
  • Upvote 1
medal medal

Share this post


Link to post
Share on other sites

Spitfire F Mk 24 BOPE
Skin [FABr]

Skin for international FABr clan. [Brazilian Armed Forces].

 

Download dos ficheiros no live War Thunder.

http://live.warthunder.com/post/24666/

 

Obrigado a todos.

 

1zbytyv.jpg

 

História do Spitfire F Mk 24

 

  O primeiro Rolls Royce Griffon com motor Mk XII voou em agosto de 1942, e voou pela primeira vez operacionalmente com o 41° Esquadrão em abril de 1943. Este modelo poderia se deslocar à 640 km/h em nível de vôo e subir a uma altitude de 10.000m em menos de nove minutos.

  A versão final do Spitfire, o Mk 24, voou pela primeira vez em South Marston em 13 de abril de 1946. Em 20 de fevereiro de 1948, quase doze anos a partir do primeiro vôo do protótipo, a última produção Spitfire, VN496, saiu da linha de produção. O Spitfire Mk 24 foi usado por apenas uma unidade RAF, com o 80° Esquadrão substituindo seus Tempests Hawker com F Mk 24s em 1947. 80° Esquadrão continuou suas patrulhas e deveres de reconhecimento em Wunstorf na Alemanha, como parte das forças de ocupação, até ser realocado para Kai Tak Airport, Hong Kong, em julho de 1949. Durante a Guerra Civil Chinesa, o dever principal do 80° Esquadrão era defender Hong Kong de ameaças comunistas.

  • Upvote 1
medal

Share this post


Link to post
Share on other sites

  • Recently Browsing   0 members

    No registered users viewing this page.